São Gonçalo. RJ Cel: (21) 998203382 E-mail: sinagogabeitmiklat@gmail.com

As Sete Congregações da Ásia - Livro de Apocalipse



INTRODUÇÃO


Ao desfolharmos o livro de Hitgalút-Apocalipse nos deparamos com grandes revelações para as nossas vidas espirituais. Profecias para os nossos dias e para os dias que virão.
Estudando a palavra de D'us, vemos que Hashem (D'us) nos dirige para que possamos permanecer de pés nesses últimos dias que estamos vivendo, pois verdadeiramente são dias difíceis, são dias trabalhosos, dias tenebrosos.
Nesse estudo você entenderá um pouco mais sobre a situação que os crentes daquele contexto viviam e da situação espiritual que cada cidade se encontrava. Desta forma podemos analisar as mensagens espirituais que eles receberam e que servem ainda hoje para nós nesse tempo presente. Pois ainda continuam tão atuais como antes.

Quando paramos para ouvir a voz dessas palavras, entendemos que o Rúah hakódesh (Espírito santo) continua a falar com os seus... Mas, será que todos estão ouvindo o que ele diz..?  

Será que há comunhão o suficiente para se perceber que ele está despertando e preparando os santos na Terra..?
Será que ainda há sensibilidade para entender e compreender o que ele requer de nós..?
Estamos dispostos a mesmo depois que ouvimos a sua voz, a mudar de atitudes e de direção na nossa vida..?

Olhemos para as cartas, para suas mensagens... Elas ainda estão falando conosco hoje.
Que você possa meditar nas verdades da palavra de D'us contidas nessas cartas.

Um sincero Shalom à todos.


As sete Kehilót da Ásia
As sete Congregações do Apocalipse


Sefer Hitgalút-Apocalipse foi escrito por Yochanan, o Emissário (João o Apóstolo), que teve visões na ilha chamada Patmos, no mar Egeu, na costa da Ásia no final do primeiro século d.e.c.  O livro fala de coisas que ocorreram no passado, nos dias em que o próprio Yochanan estava vivendo.

 Mensagens que foram enviadas para crentes daquele contexto, judeus e não judeus unidos no Mashiach Yeshua que moravam nessas cidades.  O livro também fala das coisas do passado anterior a Yochanan e também das coisas futuras, que envolvem nossos dias e dias que virão ainda muito em breve.  
Conhecer mais sobre essas cidades pode ajudar a fazer as mensagens dos capítulos de 1 à 3 do livro do Hitgalút-Apocalípse serem mais vívidas. E muito mais, é conhecer e entender o que o nosso Mestre tem para nos dizer através dessas mensagens que continuam falando alto para o mundo todo ouvir, e mais profundamente, para os que estão aliançados com D'us e com o Cordeiro.



 אפסוס     זמירנה      פרגמוס  תיאטירה   סרדיס   פילדלפיה   לאודיקאה






אפסוס

Éfeso


Rua Principal


Éfesos era a maior cidade da costa oeste da Ásia Menor. Como um centro de comércio marítimo e rodoviário da região, Éfeso era uma próspera comunidade urbana. No final do primeiro século d.e.c. era a quarta maior cidade do Império Romano. Os romanos fizeram de Éfeso o centro administrativo da província da Ásia. O governador e outros oficiais de Roma entravam na província através do porto e conduziam muitos dos seus negócios na cidade. Renomados santuários religiosos, como o espaçoso teatro, e elegantes prédios públicos deram a Éfeso um lugar integral na vida cultural de toda região. Na metade do primeiro século d.e.c., Rab. Shaul (Apóstolo Paulo) trabalhou em Éfesos por diversos anos.


Éfesos estava localizada onde as águas do mar Egeu banham as praias da Ásia Menor. A ilha de Patmos pode ser vista ao longe. Protegida por montes costeiros, o centro da cidade atraía navios de muitas partes do Império Romano.


Teatro Central


Teatro Central

O Elegante teatro de Éfeso suportava 24.000 pessoas sentadas para jogos, música e cerimônias religiosas. Era também usado para encontros públicos e questões deliberativas, execução de ações do conselho da cidade e questões legais. De acordo com Atos: 19.23-41, devotos da deusa Ártemis ou Diana encenaram uma demonstração anti-messiânica no teatro. A rua na direita da foto levava à fonte das águas. Nas proximidades estavam os armazéns e o complexo do ginásio-termas.

Ágora

Ágora era o centro comercial de Éfeso. Era uma grande área quadrada contornada por colunas e calçadas. Vendedores e artesãos faziam seu comércio nesta área. Éfeso era um centro de industria têxtil e era conhecida por seu vinho e perfume. Os ourives mencionados em Atos 19:24-27 devem ter trabalhado nesta área. Em adição ao comércio, o Ágora era um lugar para encontros públicos informais.

Estrada de Mármore

Uma avenida pavimentada com mármore conecta o teatro e o centro da cidade com o sul. Aqueles que vinham do norte pela estrada poderiam encontrar o renomado templo de Ártemis ou Diana. Colunas alinhadas corriam ao longo da margem da estrada. No lado esquerdo estava o grande Ágora ou mercado público.



Portal



Esse portal monumental fica numa das saídas do mercado. Foi construído entre 4 e 2 a.e.c. por ex-súditos de Augustus, que dedicaram o portal ao imperador e sua família. Uma inscrição nas paredes do portal chama Augustus "filho da divindade", desde que ele foi adotado como filho de Júlio César, que foi deificado pelo senado Romano. A inscrição também lista funções que Augustus tinha, incluindo a de sumo-sacerdote. Estátuas de Augustus e sua família olham para baixo aos que atravessam pelo portal.



Templo Imperial

Um templo para imperadores de Roma fica próximo ao centro da cidade. Dedicado em 89-90 d.e.c. durante o reino de Domiciano, o templo era uma honra aos imperadores da família de Flávio, Vespasiano, Titus, Domiciano e, provavelmente, a esposa deste. Uma carreira de colunas estava em cada lado do templo e um altar ficava na frente. Estatuas de deidades tradicionais adornavam a estrutura. Dentro estava uma colossal estatua de um imperador, provavelmente Domiciano. Domiciano foi publicamente condenado após sua morte em 96 d.e.c por tentativas brutais de repressão a seus oponentes. Nunca mais, o templo de Éfesos foi usado para promover o culto de outro imperador e sua família.

Porta da Cidade

A entrada da cidade, que era chamada de  Prytaneion, em grego, era o centro administrativo de Éfeso. Como muitas cidades greco-romanas, Éfeso encarregava à maioria das questões civis a um conselho de líderes cidadãos. Um pequeno grupo desses cidadãos mantinha o funcionamento diário da cidade. O escritório desses administradores estava localizado na área da foto acima.
Um templo a Júlio César e às divindades romanas era parte desse complexo. Como se percebe, esta era uma cidade tal como as outras, idólatras e cheia de paganismo. Lá certamente onde nossos irmãos na fé no Messias de Israel foram seduzidos e tentados pela forte perseguição e aos convites a retornarem a vida de outrora, uma vida de idolatria distante do verdadeiro D'us, haKadosh Baruch Hú.
Ao analisarmos os elogios do Mestre aos crentes desta cidade pagã, vemos que era árduo o trabalho que eles tinham que realizar ali. Porém, há um chamado a voltarem ao primeiro amor, a se arrependerem e a voltarem às práticas das primeiras obras, pois de fato eles haviam esfriado no amor. A perseguição os desanimou a tal ponto, que segundo fontes históricas, uns traíram os outros entregando-os aos romanos, denunciando-os em seus lugares de culto secretos.

 Mensagem à Éfesos...

Diz... Aquele que tem as sete estrelas e... anda no meio dos sete castiçais de ouro.
Sei as tuas obras...
O trabalho, a paciência...

O elogio: Pôs a prova os maus... e os avaliou...
Sofrestes e tens paciência...

A exortação: Tenho contra ti... deixastes o primeiro amor...

A ordem: Lembra-te... onde caiu... arrependa-te... e pratica as primeiras obras...
                       Se não... virei a ti em breve... e removerei o teu castiçal...

Outro elogio: Mais uma coisa a seu favor... aborreces as obras dos *nicolaítas que eu também aborreço..

           Ouvindo o que o Espírito do Eterno diz...
                                                Promessas ao vencedor..



זמירנה

Esmirna


Porto

O vasto porto ao longo de Esmirna era o ancoradouro para navios que viajavam no mar Egeu. No coração da cidade também havia um grande porto ou Marina que poderia ser fechado com uma corrente. Os navios podiam transferir suas cargas do litoral para o Ágora ou mercado, que era o centro comercial da cidade. Esmirna era conhecida por seu vinho, roupas, perfumes e artefatos de ouro.

Ágora


Esmirna, freqüentemente chamada a cidade mais bela da Ásia Menor. Ruas pavimentadas com belo design cortavam o centro de negócios. Grandes séries de colunas criavam o senso de grandeza e graciosidade. O Ágora ou mercado público, que estava localizado próximo ao porto, era o centro do comércio e vida social. Produtos eram trazidos para dentro de Esmirna pelo mar e do interior para serem vendidos ali. Durante o festival de Dionísio, o Ágora era usado para procissões em honra dos deuses.

Vales



Vales no leste da Ásia Menor proviam rotas naturais para viajem em comércio. Produtos do interior eram trazidos para portos como Éfesos e Esmirna para serem embarcados em navios para vários destinos no mar Mediterrâneo.



Mensagem à Esmirna...

     Diz... Aquele que é o Primeiro e o Último... O que foi morto mas reviveu.
.
     Sei as tuas obras...
    A tua tribulação... pobreza...

     A revelação: você é rico..

    A blasfêmia dos que se dizem judeus e não são... são da sinagoga de hasatán..

    A exortação: Não temas o que você vai padecer... são *10 dias de tribulação...

    A ordem: Sê fiel até à morte... e te darei a coroa da vida..

    Ouvindo o que o Espírito do Eterno diz...
     Promessas ao vencedor...



פרגמוס

Pérgamos


Teatro
Pérgamos foi a maior cidade no oeste da Ásia Menor nos tempos da Brít Chadashá. Está situada em um espaçoso vale, a 26 quilômetros do mar Egeu, naquilo que é hoje a Turquia. Séculos antes de Mashíach, Pérgamo foi uma capital independente do império. Seus templos impressionantes, biblioteca e recursos médicos fizeram de Pérgamo um renomado centro cultural e político. 
No tempo em que o sefer Hitgalút-Apocalipse estava sendo escrito, Pérgamo tornou-se parte do império Romano, mas por causa da localização e importância, os romanos usaram-na como centro administrativo da província da Ásia.
O teatro de Pérgamo foi entalhado numa encosta escarpada da acrópole, acima do vale. Tinha 80 fileiras de assentos e podia acomodar 10.000 pessoas para apresentações e concursos musicais.

Acrópole


A parte principal em Pérgamo é sua acrópole, o monte no qual a maioria da cidade estava construída. A acrópole se eleva acima da planície logo abaixo, proporcionando uma visão espetacular da região subjacente. Séculos antes de Mashíach Yeshua, reis de Pérgamo construíram palácios e templos no topo da acrópole.


Reis de Pérgamo construíram seus palácios perto do topo da acrópole. A medida em que os romanos expandiam seu poder no segundo século a.e.c., os planos de permanecer independente acabaram. O último rei de Pérgamo deu a cidade e seu reinado aos romanos em 133 a.e.c. Depois disso os romanos fizeram de Pérgamo um importante centro administrativo para a província da Ásia.

 

Biblioteca


Pérgamo
 tinha uma das mais famosas bibliotecas do mundo. Segunda em tamanho apenas para a biblioteca de Alexandria. É dito que tinha 200.000 volumes. O tamanho e qualidade da coleção foram melhorados pelo uso do pergaminho, um material de couro utilizado para a escrita, que foi desenvolvido em Pérgamo. Ao lado da biblioteca estava o santuário de Atena, a divindade associada à sabedoria. O santuário de Atena incluía o prédio do templo e uma grande área sagrada que era contornada por colunas.

Templo de Dionísio


Um templo para Dionísio ficava de um lado do monte, em frente ao teatro. O lugar do santuário mostra uma grande associação de Dionísio com a encenação e celebrações públicas.
O altar de Zeus era uma das mais impressivas estruturas da acrópole de Pérgamo. As escadas do altar, colunas e lados esculpidos tinham a 12 metros de altura. Hoje, somente os degraus ao redor da base do altar podem ser vistos. Os lados do altar eram ornamentados com painéis de mármore que representavam uma batalha mítica entre os deuses gregos e gigantes rebeldes, que eram filhos da mãe terra.O altar foi construído muitos anos antes de Mashiach para comemorar vitórias do exército de Pérgamo.

Ginásio


Uma rua pavimentada cortava a parte de baixo da acrópole e passava através de um ágora ou lugar do mercado. Adiante nesta rua estava um complexo ginásio que tinha um largo pátio que poderia ser usado para exercícios incluindo salto, luta e levantamento de peso. O ginásio era contornado por calçadas e tinha prédios de banho nas proximidades.

Rua Sagrada


Um santuário para o deus da cura Esculápio era localizado no subúrbio de Pérgamo, próximo a uma rua sagrada. Esse caminho sagrado vai da cidade ao santuário.

 

Santuário


O santuário do Esculápio era um renomado centro médico. No início do quarto século a.e.c., pessoas vinham para Pérgamo procurando cura. As colunas da foto são parte da antiga estrutura do santuário. O santuário era mantido por um grupo de sacerdotes, junto com atendentes do templo, músicos e outras pessoas. No final do primeiro século, relatos de curas milagrosas aumentaram o número de pessoas que vinham a Pérgamo para procurar cura. Décadas antes de o Apocalipse ser escrito, o santuário foi dramaticamente expandido para incluir colunas, um pequeno teatro e mais salas de tratamentos de pacientes. No segundo século, o médico Galen começou sua prática cuidando de gladiadores em Pérgamo. Mais tarde ele se mudou para Roma e tornou-se o médico da corte do imperador Marco Aurélio.


Mensagem à Pérgamo...

Diz... Aquele que tem a espada aguda de dois fios...


Sei as tuas obras...

Onde habitas... onde está o trono de satanás... (provavelmente o altar ao deus pagão ZEUS)

O elogio: você retém o meu nome... não negaste a minha fé...

*Antipas, minha fiel testemunha... foi morto entre vós...

A exortação: tens os que seguem a doutrina de Balaão... e doutrina dos nicolaítas...

A ordem: Arrependa-te... se não, eu venho em breve contra ti...

Batalharei contra eles com a espada da minha boca...

Ouvindo o que o Espírito do Eterno diz...

Promessas ao vencedor..

תיאטירה

Tiatira


Local




Tiatira era um centro comercial na Ásia Menor (moderna Turquia). Estava localizada num fértil vale no qual passavam rotas de comércio. Embora destruída por um terremoto durante o reino de César Augusto (27 a.e.c.- 14 d.e.c.), Tiatira foi reconstruída com a ajuda romana. Produtos têxteis eram os mais importantes em Tiatira . Uma das comerciantes de roupas da cidade era uma mulher chamada Lídia, que conduzia negócios em lugares distantes como Filipos. 

Ruínas do Mercado

Tiatira foi um significativo centro de comércio. Artesãos faziam roupas de linho e algodão que às vezes eram tingidas de vermelho ou púrpura. Trabalhadores de bronze, curtidores, oleiros e padeiros levavam suas mercadorias até a cidade. Homens de negócio eram capazes de lucrar e adquirir bens na região para César Augusto e a família imperial. Escravos eram trazidos e vendidos em Tiatira onde um mercado de escravos estava localizado.



Mensagem à Tiatira...

Diz... o filho de Deus... o que tem os olhos como chama de fogo e os pés como latão reluzente...

Sei as tuas obras...

A tua caridade... o teu serviço... a tua fé (fidelidade)... tua paciência...

O reconhecimento: tuas últimas obras são maiores do que as primeiras...

A exortação: tenho contra ti... toleras a *Jezabel, a profetiza do engano, prostituição e idolatria...

O tempo para o arrependimento...

O juízo: Ser posto num leito... passando por grande tribulação... ferida de morte...

A necessidade do reconhecimento por parte de todos que ele sonda os mentes e os corações..

Galardoando os que são merecedores segundo suas obras...

O que você tem, retenha até que eu venha... “ a nossa jornada ainda não terminou”
Promessas ao vencedor...


Ouvindo o que o Espírito do Eterno diz...


סרדיס

Sardes

Templo


Sardes foi uma das cidades legendárias da Ásia Menor, onde hoje é a Turquia. No sétimo século a.e.c., Sardes foi a capital da Lídia. Ouro foi encontrado no rio próximo de Sardes e reis que moravam lá foram renomados por sua riqueza.

Os persas capturaram Sardes no sexto século e fizeram dela um centro administrativo para a parte oeste do seu império. A famosa "estrada real" conectava Sardes com outras cidades do leste. Nos tempos do Brít Chadashá, Sardes foi parte da província romana da Ásia.

Acrópolis


acrópole ou parte superior da cidade de Sardes estava num monte que se erguia sobre um vale. Os lados da acrópole eram escarpados e o topo poderia ser alcançado somente por um longo e estreito caminho. Isso deu a cidade uma força quase inexpugnável. A maioria da cidade estava no vale abaixo. As estradas que seguiam os vales eram importantes para o comércio e comunicação.


Praça


Sardes foi devastada por um terremoto em 17 d.e.c. Os romanos suspenderam a cobrança de impostos e enviaram fundos para a ajudar na reconstrução da cidade. Algumas estruturas foram reparadas e outras foram destruídas para dar lugar a novos edifícios. A grande praça mostrada aqui estava localizada próximo ao centro da cidade.

Templo de Ártemis


Um enorme templo de Ártemis foi construído em Sardes no quarto século a.e.c.. O coração do santuário era o edifício do templo no qual uma estátua de ouro da divindade foi colocada. Ao redor estava o pátio sagrado cercado por colunas. Ofertas eram feitas e oferecidas com grandes pompas em um grande altar. Era uma realidade a vida idólatra dessa cidade.                                                              
O funcionamento do grande complexo termas/ginásio começou no final do primeiro século, embora a estrutura não tenha sido concluída por muitos anos. Localizado na parte central da cidade, o ginásio e as termas eram uma parte importante da vida cultural, pois reunia muitas pessoas em um mesmo lugar.

Sinagoga



Sardes era o lar de uma grande e influente comunidade judaica. Essa foto é à entrada da sinagoga, que era localizada na parte central da cidade. Embora a estrutura da sinagoga date do terceiro século d.e.c., existem boas evidências que havia uma sinagoga em Sardes no primeiro século, no tempo em que o Apocalipse foi escrito. Como a maioria das congregações nas cidades, eram compostas de judeus e não judeus (gentios) que serviam a D'us e tinham o testemunho de Yeshua haMashíah (Jesus o Messias).


                                  Mensagem à Sardes...


Diz... O que tem os sete espíritos de Deus... e as sete estrelas...

Sei as tuas obras...

A revelação: Não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus...

A exortação: Sê vigilante... e confirme os irmãos que estão para morrer...

A ordem: Lembra-te do que você tem recebido... guarda-o...

O tempo para o arrependimento é agora...

O juízo: Se não vigiares... virei sobre ti como um ladrão.. e não saberás a hora...

O reconhecimento: Tens em Sardes... alguns (nomes) que não contaminaram suas vestes...

Andarão de branco comigo... dignas elas são... (elas tem um mérito)

פילדלפיה

Filadélfia


Filadélfia fica num vale aos pés de um platô montanhoso. A parte de baixo e escura, no centro da imagem, mostra a área da antiga cidade. Os reis de Pérgamo fundaram Filadélfia como um posto avançado do seu Reino no segundo século a.e.c. A cidade estava localizada ao longo de uma importante estrada de viagem que ligava Pérgamo ao norte com Laodicéia ao sul. Nos tempos do Brit Chadashá, Filadélfia fazia parte da província romana da Ásia. A cidade foi devastada por um terremoto em 17 d.e.c. e por um tempo as pessoas viveram com medo de tremores. Filadélfia foi reconstruída com ajuda do imperador Tibério.


Acrópolis

Como outras cidades na região, Filadélfia prosperou através da agricultura e indústrias relacionadas. O solo no vale era propício para o crescimento das vinhas, resultando numa importante produção de vinho. Os rebanhos que eram pastoreados na área supriam lã e pele para tecidos e produtos de couro.

Mensagem à Filadélfia...


Diz... O que é santo (kadosh)... O que é Verdadeiro... O que tem a chave de David... O que abre e ninguém fecha e fecha e ninguém abre...

Sei as tuas obras...

A revelação: Pus uma porta aberta diante de ti... ninguém a pode fechar...

O reconhecimento: tendo pouca força... tens guardado a minha Palavra e não negas o meu nome..

O juízo: Farei aos da sinagoga de satanás... que se dizem judeus e não são... são mentirosos...

Farei que venham até você... prostrados aos teus pés me adorem... e saibam que te amo...

A promessa: Como você guardou a minha palavra... da mesma forma também te guardarei...

Te guardarei da hora do juízo que vem sobre a Terra...

Alerta: Venho apressadamente... guarda o que você tem.. para que não tomem o que é teu...

Promessas ao vencedor...


Ouvindo o que o Espírito do Eterno diz...


Esta é uma carta em que não há registro algum de repreensão, de cobrança por algum erro. Os crentes dessa cidade eram fiéis a Adonay e buscavam constantemente permanecer nos mandamentos.
Para quem busca verdadeiramente, mesmo em meio às tribulações e perseguições sem desfalecer na fé, na fidelidade, para esses, o que se reserva é sempre uma porta aberta que ninguém pode fechar.


Laodicéia

Montanhas


Laodicéia fica no principal cruzamento de estradas dos vales da Ásia Menor, no que é hoje a Turquia. A cidade estava situada numa montanha que dava para um vale fértil e majestosas montanhas. Nos tempos romanos, a cidade era um importante centro de administração e comércio. As questões de justiça da região eram ouvidas em Laodicéia e fundos eram depositados nos bancos da cidade para segurança. Embora danificada por terremotos durante o reino de Augusto (27 a.e.c - 14 d.e.c.) e novamente em 60 d.e.c, a cidade continuou reconstruindo e prosperando.

Panorama


                7


Laodicéia era um centro para a indústria têxtil regional. Os rebanhos mantidos próximo aos vales produziam lã negra que era excepcionalmente macia. A lã era comprada e vendida nos mercados da cidade.

Mensagem à Laodicéia...
1.      Diz... O Amén... A Testemunha Fiel e Verdadeira... O Princípio da Criação de Elohim (Deus)...
2.      Sei as tuas obras...
3.      A revelação: Você não frio e nem quente... Você é morno...
4.      O juízo: Vou vomitar você de minha boca..
5.      A revelação: Você diz... sou rico... estou enriquecido... de nada tenho falta...
6.      A promessa: Como você guardou a minha palavra... da mesma forma também te guardarei...
7.      A revelação: Você não sabe... você é desgraçado.. miserável..  pobre.. cego e nu..
8.      Conselho: Compres de mim.. ouro provado no fogo.. vestes brancas.. e colírio..
9.      Alerta: Eu repreendo e castigo a todos que eu amo..  Seja zeloso e arrependa-te...
10.  A revelação : Estou a porta e bato... quero entrar e cear contigo...
11.  Promessas ao vencedor...
12.  Ouvindo o que o Espírito do Eterno diz...



................................................................................Yossef Baruch.
Share:

5 comentários:

  1. Ao ler sobre as comunidades judaico-messiânicas da Ásia, traz ao nosso espírito a sensação de que nunca foi tão atual como agora, o cenário espiritual daquele tempo.

    ResponderExcluir
  2. Estou maravilhada com a riqueza do estudo. Obrigado por compartilhar tantas matérias importantes

    ResponderExcluir
  3. Chaver,HaShem abençoe sua vida com revelações através do Ruach Hakodesh em nome de Yeshua Hamashiach!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Baruch Hashem! Obrigado pessoal pelo bom conteúdo

    ResponderExcluir

Ultimos Estudos

TSEDACÁ - Um conceito judaico ...

TSEDACÁ - Um conceito judaico - צדקה                 Desde a época do Beit hamikdásh -Templo Sagrado, era visível para os judeus que ...

Curso Zayt - קורס זית

Curso Zayt  - קורס זית
Aprenda Hebraico conosco!

"Honra teu pai e tua mãe."

"Honra teu pai e tua mãe."

Postagens

Seguidores

Total de visualizações

Arquivo do blog

Assista ao Serviço

"Se eu esquecer de ti, ó Jerusalém..."

"Se eu esquecer de ti, ó Jerusalém..."

Refutação ao video - Ieshua NÃO É o Mashiach!

Refutação aos inimigos de Yeshua

Parashá - פרשה

שיעור - Sukót e suas riquezas...

Mensagem - דברי תנ"ך

Rosh Luciano/Mensagem ... דברי תנ"ך

Ele Vive..!!! הוא חי

Ele Vive..!!!   הוא חי
Yeshua o Messias ressuscitou!

Memórias ... זכרונות

אם אין אני לי מי לי
וכשאני לעצמי מה אני
ואם לא עכשו אימתי ... י

"Se eu não for por mim, quem será por mim?
Se eu for só por mim, o que sou eu?
E se não for agora, então quando?
Rabi Hilel - Pirkê Avot 1:14.

Sempre elevados na Tefilá-oração ...

Sempre elevados na Tefilá-oração ...
"Por essa razão, desde o dia em que o ouvimos, não deixamos de orar por vocês e de pedir que sejam cheios do pleno conhecimento da vontade de Deus, com toda a sabedoria e entendimento espiritual." (Colossenses 1:9)